sexta-feira, 25 de julho de 2008

Sem colher

– Promete me amar pra sempre?
– Prometo.
– Promete mesmo?
– Sim.
– Mas se tudo der errado?
– Não dará errado.
– Quem garante?
– Eu.
– Mas se o destino...
– Não existe destino.
– E se alguém cruzar o nosso caminho?
– Pára de nóia, Gustavo.
– Mas, Heloísa...
– Que foi?
– Tenho medo de te perder.
– Isso não vai acontecer.
– Como você sabe?
– Sabendo, oras.
– Como assim, sabendo?
– Gustavo, está me irritando.
– Tá, vou parar...

– Helô...?
– Mmmm...
– Tá acordada?
– Não estava, mas fala.
– Nada não, pode deixar. Não quero atrapalhar você dormir.
– Já me acordou, Gustavo. Fala.
– Desculpa.
– Desculpa de quê?
– Desculpa por ter te acordado. Não era coisa importante...
– Amor?
– Mmmmmmmm...!
– Ih, desculpa de novo.
– Tá.

– Pára de mexer! Tive um dia estressante e preciso dormir.
– É que eu não consigo achar uma posição adequada. Eu vou pra outro lugar então.
– Não precisa. Leia um livro. Dará sono e você nem perceberá quando fechar os olhos.
– Ah, estou sem concentração.
– O que aconteceu, querido?
– Nada...
– Como nada? Você não consegue dormir. É algum problema?
– Não, nenhum...
– Então chega de frescura. Quem tem TPM aqui em casa sou eu.
– Vou ver tele...
– E não ligue a TV!
– Qual livro eu leio então?
– Qualquer um, amor. Boa noite.

– Bom dia, amor.
– Bom dia.
– Preparei seu café.
– Obrigada. Vou ter que voar pra chegar a tempo, perdi a hora! Hoje saio antes de você e levo o carro, tá?
– Tudo bem. Eu li umas notícias agora no jornal e...
– Tchau, querido! Bom trabalho!
– Obrigado...

– Helô, desculpa ligar agora, mas é que não combinamos onde vamos almoçar.
– Ah, pode ser no restaurante de ontem.
– Mas você reclamou da comida...
– Era só a de ontem. E não tenho tempo pra pensar em outro lugar.
– Como é você quem está com o carro, tem problema passar aqui?
– Não. Esteja em frente ao prédio às 13h, ok?
– Ok.
– Beijo.
– Beijo.

– Está tudo bem com você?
– Sim, Gustavo.
– Parece nervosa. Está assim desde ontem.
– Não tem nada, é só preocupação do trabalho... Fim de mês, você sabe como é.
– Sei sim.
– Vamos então?
– Vamos.
– Amor... Você jura que não é nada mesmo...? Estou preocupado com isso.
– Juro. É o fim do mês, acredite em mim.
– Acredito.

– Gustavo, está tudo muito corrido hoje na firma e preciso ficar até mais tarde. Tem como você passar na lavanderia e depois fazer as compras?
– Tem sim. Só preciso comprar as frutas e os ingredientes pro jantar?
– É. E tem como você preparar tudo? Acho que chego depois das 20h, ficará tarde...
– Tem sim. O melhor jantar estará servido quando você chegar.
– Obrigada, querido. Quem bom que me entende.
– Quer que eu te busque?
– Esqueceu que o carro está comigo?
– Verdade. Mas vem alguém com você?
– Não.
– Alguém vai ficar na empresa com você?
– Não, só eu.
– Então tá. Beijo.
– Beijo.
– Bom trabalho!

– Ai, amor, que época corrida. Esse sistema ainda acaba comigo!
– Eu sei como é. Lá na empresa estamos começando a ficar assim. Todo mês é essa confusão. Ah, seu jantar está na mesa.
– Você não vem jantar comigo, Gu?
– Comi umas besteiras agorinha, estou sem fome.
– Tudo bem.
– Nossa! Está realmente muito bom! Parabéns!
– Obrigado. Depois que terminar, vem ver TV comigo.
– Tá.
– Helô, esse programa está chato e estou cansado. Vamos dormir?
– Vamos.

– Querido...
– Mmmm...
– Tá acordado?
– Não estava, mas fala.
– Nada não, pode deixar. Não quero atrapalhar você dormir.
– Já me acordou, Helô. Fala.
– Desculpa.
– Desculpa de quê?
– Desculpa por ter te acordado. Não era coisa importante...
– Amor?
– Mmmmmmmm...!
– Promete me amar pra sempre?

8 comentários:

Hanne Mendes disse...

Pois é, está tudo ai, pela vida. Poesia diluída em coisas aparentemente tão mínimas que por vezes não conseguimos ler...
O amor é isso, doses pequenas e grandes porres, alternados e viciantes.

Sempre de parabéns, Marília.

Sarah Vervloet. disse...

Belíssima! (plagiando um conhecido professor...e, como diria a Hanne, versão Paraguai.)

A crônica parece ganhar uma velocidade de idéias e dúvidas, e cobranças, que tudo isso nos faz pensar em como esse 'sistema' influencia nas nossas horas, nos nossos sentimentos, nos nossos nervos. E mais: me preocupar perceber que o amor está contido nisso tudo, como se quisesse se livrar, mas não consegue.

Tem futuro (e que futuro!...).

Beijo.

Marii Barbosa disse...

Mas essa menina é mesmo um espetáculo de talento!
Quando eu crescer quero ser igual você,tia. xD

Brigadeiras à parte, sabe que tem uma fá aqui né?
^^
Beijo!

Marii Barbosa disse...

Blog novo na área. xD

Marii Barbosa disse...

fã*

Daiane Ayres disse...

O amor... ah, o amor!
Me deixa até sem palavras...

Perfeito!

Laila Có disse...

Me lembrou Veríssimo.

Muito lindo, Dai!

Beijo.

Laila Có disse...

Dai?

Olha a confusão aí!

Depois de quase um mês percebo a troca e venho consertar:

1) Muito lindo, Marília!

e (risos)

2) Muito linda, Dai!

:D

 


Templates Novo Blogger 2008